POR UMA TOPOFILIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: REFLEXÕES SOBRE ESPAÇO E LUGAR DA COMUNICAÇÃO

Autores

  • Cleusa Andrade Scroferneker Pontifícia Universidade Católica do RS
  • Lidiane Ramirez Amorim Faculdade Senac Porto Alegre Pontifícia Universidade Católica do RS

Palavras-chave:

Comunicação organizacional, Topofilia, Pensamento complexo, Organizações

Resumo

Resumo

A reflexão proposta traz consigo um olhar [dentre tantos possíveis], à luz da Geografia, ancorados pelo pensamento complexo. Propomos compreender as organizações enquanto espaço e lugar de vivências/sobrevivências e/ou experiências, de encontros/desencontros/reencontros, de construção/fortalecimento/disputas de sentido, de aproximações/distanciamentos, de (in)comunicação/vínculos, nos quais o tempo vem sendo redimensionado. Com base em tais argumentos, o artigo tem como objetivo principal apresentar possibilidades de (re)pensar a Comunicação Organizacional fazendo-a dialogar com a Topofilia, que traz em sua essência a compreensão do espaço como experiência [vivida e sentida].

Palavra-chave: Comunicação Organizacional; Topofilia; Pensamento Complexo; Organizações.

 

Abstract

The proposed reflection brings with it another look [among the many that are possible], in the light of Geography, anchored by the complex thinking. We propose to understand the organizations as being the space and the place for existences/survivals and/or experiences, of meetings/disagreements/reencounters, of construction/strengthening/disputes on sense, of approaches/separations, of the (non) communication/entailments, in which the time has been re-dimensioned. Based on these arguments, the article has as its main objective to present possibilities of (re)thinking the Organizational Communication, causing it to dialogue with Topophilia, bringing in its essence the comprehension of the space as an experience [lived and felt]. 

Keywords: Organizational Communication; Topophilia; Complex Thinking; Organizations 

 

Resumen

La reflexión que proponemos trae una mirada [entre muchas posibles], bajo la luz de la Geografía y el pensamiento complejo. Sugerimos comprender las organizaciones como espacio y lugar de vivencias/supervivencias y/o experiencias, de encuentros/desencuentros/reencuentros, de construcción/fortificación/disputas de sentido, de aproximaciones/alejamientos, de (in)comunicación/vínculos, en los cuales el tiempo es redimensionado. Basándose en estos argumentos, el artículo tiene como principal objetivo presentar las posibilidades de (re)pensar la Comunicación Organizacional, haciéndola dialogar con la Topofilia, que trae en su esencia la comprensión del espacio como experiencia [vivida y sentida]. 

Palabras-clave: Comunicación Organizacional; Topofilia; Pensamiento Complejo; Organizaciones.


Biografia do Autor

Cleusa Andrade Scroferneker, Pontifícia Universidade Católica do RS

Professora Titular da Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia. Universidade Católica do Rio Grande do Sul / FAMECOS/PUCRS. Bolsista PQ/CNPq 2. Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP.

Lidiane Ramirez Amorim, Faculdade Senac Porto Alegre Pontifícia Universidade Católica do RS

Gerente de Comunicação Corporativa da Rede Marista, em Porto Alegre/RS, Brasil e como docente da Faculdade SENAC – Porto Alegre. Doutora em Comunicação pela Pontifícia Universidade Católica do RS (PUCRS), Mestre pela mesma Universidade.

Downloads

Publicado

04-01-2017

Edição

Seção

Artigos livres / Artículos libres