HOMELAND: TERROR E GÊNERO

Autores

  • Silvana Seabra
  • Thais Eleutério

Resumo

O artigo analisa a série Homeland, caracterizando-a como um produto da chamada “TV de
qualidade” (Mittell, 2012, 2015) e destacando a condição do principal personagem, Carrie
Mathison, como metáfora da instabilidade decorrente do “11 de Setembro” – condição que é
elaborada no horizonte de uma complexa e contraditória representação de gênero.

Downloads

Publicado

13-12-2019

Edição

Seção

Dossiê: Comunicação popular, cidadania e mudança social / Dosier: Comunicación Popular, Ciudadanía y Cambio Social