Decolonialidade e jogos digitais: releitura histórica, resistência e luta

Autores

  • Marcelo Sabbatini

Resumo

Entendendo os jogos digitais como artefatos culturais dotados de valores e significados.
Analisamos o jogo “Banzo – Marks of Slavery” (Banzo – Marcas da Escravidão), uma
releitura do passado colonial brasileiro; nele o controle de um quilombo permite ações de
enfrentamento, incluindo elementos culturais e religiosos. A análise temática qualitativa
identificou três grandes categorias (macro-estrutura, relações colonizador-colonizado e
revide) e subcategorias como o domínio do espaço geográfico, a síndrome de identidade, a
outremização e a luta e a violência física, fazendo dele uma experiência de resistência cultural
de potencial pedagógico.
Palavras-chave: Jogos Digitais; Decolonialidade; Folkcomunicação; Resistência cultural; História da Escravidão

Downloads

Publicado

09-03-2022