GÊNEROS JORNALÍSTICOS E DESASTRES: UMA ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO SOBRE SAÚDE DOS ATINGIDOS PELO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE FUNDÃO (MG)

Autores

  • Paola Pinheiro Bernardi Primo
  • Michele Nacif Antunes
  • Carlos Eduardo Siqueira
  • José Manuel Mendes
  • Adauto Emmerich Oliveira

Palavras-chave:

Comunicaçãoe saúde, meiosdecomunicação, ­análise crítica do discurso, saúde coletiva

Resumo

O presente artigo analisa como o tema saúde é abordado em jornais surgidos após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG). Um, do gênero jornalístico comunitário, feito pelos próprios atingidos e outros três do gênero institucional, criados pela instituição responsável por gerir as ações pós-desastre. Após coleta de matérias e realizada análise crítica do discurso, concluiu-se que há diferença na forma de enunciação do desastre e distintas abordagens sobre o tema saúde. Há por parte do jornal comunitário uma tentativa de quebra da hegemonia discursiva, além de propiciar a vocalização dos atingidos, enquanto os periódicos institucionais buscam manter o poder hegemônico dominante, por meio de desvinculação dos problemas de saúde da população ao desastre.

Downloads

Publicado

03-02-2021

Edição

Seção

Dossiê: Comunicação popular, cidadania e mudança social / Dosier: Comunicación Popular, Ciudadanía y Cambio Social